Você compra uma revista de moda pela a capa?

Em alguns meses, o Covid-19 se transformou em uma pandemia global, gerando grandes impactos no mundo, e com a moda não foi diferente. Sua rápida disseminação, fez com que o mundo todo parasse, inclusive o consumo e produção de moda. Grandes marcas transformaram seus estúdios em lugares de produção de máscaras e até mesmo álcool em gel. Costureiras, antigamente sendo pouco reconhecidas na cadeia produtiva do mundo da moda, se tornaram essenciais para produzirem máscaras em meio ao combate ao coronavírus.


E assim sendo, como um dos principais setores econômicos, o mundo fashion busca da melhor maneira combater junto com todos essa pandemia, ajudando, conscientizando e informando as pessoas sobre tudo o que está acontecendo no mundo.

Algumas capas de revistas estão participando desse momento histórico, para mostrar como isso está acontecendo.


A professora de moda Taisa Sena, conta que os meios de comunicação de moda estão buscando conscientizar as pessoas. Até mesmo durante o Fashion Revolution, ela comenta que dentro do possível, as revistas de moda trouxeram temáticas da atualidade, no entanto respeitando o espaço para informações sobre a pandemia.


Assim como a Vogue Itália, que no mês de abril de 2020, publicou sua capa em branco. A escolha da revista foi um ato de respeito com todos que sofrem na Itália. O editor chefe da vogue Itália, Emanuele Farneti (@efarneti), escreveu em sua rede social a justificativa sobre escolha da cor branca na capa, afirmando que “o branco é o renascimento, a luz após a escuridão[..]. É a cor dos uniformes usados por aqueles que colocam às suas vidas em jogo para salvar a nossa [...]. O branco não é render-se, mas sim uma uma folha em branco a espera de ser escrita”.


A Marie Claire México, na edição do mês de maio 2020, fez uma homenagem a todos os profissionais de saúde nesse período, utilizaram a imagem de um profissional da saúde, com marcas no rosto que lembra a utilização de máscara, um instrumento essencial nesse período.


Já a Vogue Portugal, com o tema “Freedom on hold” (liberdade em pausa), publicou sua capa no mês de abril com a imagens de duas pessoas se beijando através de máscaras cirúrgicas. A revista, explicou em sua rede social que “uma imagem não vale só mais que mil palavras. Vale também enquanto documento histórico. E a liberdade de 2020 vai ser reconhecível assim: confinada.”


Outras revistas também publicaram suas capas com o tema Covid-19, como a Vogue Arábia, pedindo para todos ficarem em casa.


A revista Glamour Rússia em sua edição de abril publicou sua capa com uma modelo usando uma máscara branca de respiração lembrando a todos a se cuidarem e zelarem o próximo. As revistas Vanity Fair - versão italiana de abril de 2020 - e Grazia, assim como a Marie Claire, também publicaram suas capas com fotos dos profissionais de saúde, como forma de homenageá-los.

Dessa forma, é evidente que a moda - e a comunicação de moda - é um espelho de tudo o que acontece no mundo. O professor de Jornalismo: Paulo Camargo, conta que “esses manifestos, seja por meio de imagem ou não, são muitos potentes e representam uma tomada de posição das revistas de não se colocar em uma situação de alienação”. Paulo ainda afirma que as revistas estão “relacionadas a assuntos que desrespeitam a humanidade e a assuntos de teor político, comportamental e ambiental”.

É dessa forma que, nós como veículo de comunicação, pedimos e reforçamos que observem essas capas e reflitam a sempre usarem máscaras ao saírem de casa, lavem bem as mãos e lembrem-se de todos os profissionais de saúde e profissionais que não pararam durante esse combate.









4 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo